(isto possivelmente não vai ter muita lógica mas pronto....)

Não sei se vos acontece (e refiro-me a pessoas semelhantes a mim, faladoras e irrequietas) divagar de vez em quando. Eu gosto de silêncio, mas não quando é suposto estarmos a conviver. Há sempre aqueles momentos meio estranhos em que já quase nem há assunto, e isso irrita-me. Nestes momentos o silêncio irrita-me porque se torna constrangedor. Então, das duas uma: ou me calo e vive-se ali um momento quase de agonia em que chega a um ponto em que ninguém fala porque tudo o que dissermos vai soar tremendamente ridículo ou descontextualizado, ou então falo de tudo o que me vem à cabeça naquele momento: episódios caricatos das minhas primas pequenitas, do gato Gil (que é a mascote no meu local de trabalho) e tantas outras coisas que nem sequer devem interessar muito mas que servem de pretexto para a conversa continuar.
A coisa engraçada é que isto não acontece por acaso mas sim em duas situações semelhantes - que normalmente ocorrem em simultâneo já que uma normalmente conduz à outra: quando estou (ligeiramente) envergonhada ou nervosa. 
Isto às vezes faz-me sentir ridícula porque mal acabo de falar penso "Mas porque raio falei sobre isto?" mas a verdade é que já lido muito naturalmente com a situação. Porque a verdade é que isto é a velha história do "quem está mal que se mude" ou do "não estou aqui para agradar a ninguém".
Só queria saber se não estou sozinha neste mundo. 

(e já agora, também pensam em voz alta?)