Social icons

A nova fase

3º ano de licenciatura em Ciências da Comunicação, novo desafios, novos obstáculos; novos medos e objectivos. A minha cabeça anda a mil à hora, sempre a pensar em como posso melhorar. Assusta-me a possibilidade de não conseguir atingir o que quero, mas não só coisas boas fazem parte da vida, e sinceramente não me vou desmotivar com o que pode ficar para trás.
A pressão é desgastante mas simultaneamente aliciante.
Estar constantemente em busca de novas metas, novos contactos, novas caras dá-me força para seguir em frente e não pensar que serei mais uma do grupo de estudantes recém-licencidados a trabalhar na caixa do Modelo ou Pingo Doce.
Mantenho-me positiva, confiante, ainda que quase todos os dias uma melancolia me invade ao pensar na possibilidade de não ser quem quero ser e fazer o que tanto quero fazer, por gosto, por paixão. Ainda bem que esse momento diário dura apenas um minuto.
Sucesso só se encontra primeiro que o Trabalho no dicionário, sempre me disseram, e por essa razão me tenho esforçado para que tudo seja feito como deve ser.
Longe vai o primeiro ano onde tempo não era preocupação, a menos quando deixava tudo para a última.
Deixar para a última... este ano tal é completamente impossível. Meter na cabeça que tenho de me levantar às 7 da manhã para ir a todas as aulas é das maiores responsabilidades. Não posso faltar, nem quero, assim como não posso sair todos os dias....nem quero!

Confesso que o trabalho não me assusta. Assusta-me sim que ele não dê frutos, ou pelo menos os frutos que eu quero que ele dê.
Faço listas todos os dias do que tenho para fazer, de quem quero entrevistar, sobre quem quero escrever nos artigos d'A Tribo Urbana. Penso em fotografias que quero tirar, pessoas que me podem apoiar, dando ideias, sugestões. Procuro ideias para vídeos, vejo curtas-metragens e consulto as agendas de diversos artistas e salas de espectáculo, bem como os filmes em exibição, tudo isto sem me esquecer dos inúmeros trabalhos que tenho de apresentar para as diversas cadeiras e das frequências.
Mas o pior de tudo, a meu ver, é o Estágio. Ainda não pensei nisso, mas devia. Sim, devia. O tempo não é muito e existe sempre a possibilidade de ouvir um não em diversas situações.
Talvez não devesse ser tão exigente relativamente ao local onde quero fazer estágio mas a verdade é que jornais locais não me despertam interesse.
Vou tentar a minha sorte na RTP e no Correio do Minho. Se 'sim' fosse a resposta em qualquer um destes locais ficaria mais do que satisfeita.

Tenho de me mexer, tenho de aumentar o currículo. Acho que a minha vida agora se resume a tenho, tenho e mais tenho...

A Tribo Urbana

Como já disse, tenho um projecto em mãos. Eu e mais 5 rapazes talentosos. O trabalho já se faz sentir e o medo por vezes percorre-nos o corpo todo. É uma sensação estranha mas ao mesmo tempo empolgante.
A necessidade de querer dar o nosso melhor, que não passa só pelo querer mas também pelo ter, certamente nos ajudará a enfrentar os obstáculos que provavelmente estão para vir.
Ainda que só na próxima semana esteja tudo operacional para começar a 100%, a "tribo" já pôs mãos à obra, daí saber no que nos metemos, daí saber que terá muito de bom mas também de cansativo. Mas sabem que mais? Não importa. O que importa realmente é o gosto que temos em trabalhar para algo como A Tribo Urbana e tenho a certeza absoluta que será compensador chegar ao final de uma etapa, olhar para trás e dizer: conseguimos.

Photobucket

Faremos os possíveis e impossíveis para que assim seja. E esperamos também ter um nobre feedback pois não fazemos isto só para nós, ainda que também seja importante. Fazemos isto também para vocês.

Sim, é verdade que o Bacafuzadas não é o que era. As teorias inusitadas e os posts diários deixaram de ser uma realidade tão frequente. Mas tudo tem uma razão de ser.
Não, o Bacafuzadas não perdeu personalidade, apenas é o reflexo do que se passa na minha vida, daquilo que sou. E a verdade é que estou numa fase de transacção. Notam isso, certo?
Acreditem quando digo que tudo tem uma razão de ser, e se este blog 'já não é o que era' é porque está a perder um pouco do seu brilho em função de algo maior.

Espero que quando o nosso projecto esteja 'no ar' percebam porque ando tão 'desleixada' e digam: ainda bem que assim é :)


1º dia de praxes


E apesar de ser doutora e meter respeito não sou séria todo o dia :)

ps- eu sou uma doutora mega querida, apesar de tudo, e gosto muito dos meus caloirinhos ainda que sejam umas mosquinhas mortas, por enquanto :D

Photo Update


Photobucket

Photobucket
Photobucket

Bizarro...ou não!

Deparei-me com esta notícia no expresso e confesso que fiquei chocada e um pouco lixada e eu já estou na universidade, imagino quem não entrou este ano no que queria devido a situações destas ou semelhantes.

Photobucket

A iniciativa Novas Oportunidades representa de facto “um novo impulso no caminho da qualificação dos portugueses”. Senão vejam este caso , a nosso ver Bizarro e que merece ser comentado, analisado e debatido para que não volte a a suceder :

Tomás desistiu da escola sem ter concluído o secundário. Graças ao programa ( novas oportunidades) criado pelo Governo para aumentar as qualificações dos portugueses, teve equivalência ao 12º ano em poucos meses e entrou na universidade com uma média de 20 valores, conseguida com apenas um exame de Inglês. Ainda assim, concorreu em igualdade de circunstâncias com todos os outros.

Oficialmente, é o aluno com a mais alta nota de candidatura ao ensino superior. Admite que beneficiou de uma injustiça.” ( Fonte : EXPRESSO )



A verdade é que todos somos diferentes e existem pessoas com mais facilidade que outras no que diz respeito a estudar. No entanto, não acho que 'facilitar' a vida aos estudantes com mais dificuldade na aprendizagem seja a solução. Deviam sim testar a vontade deles continuarem o seu percurso escolar e em vez de lhe darem a possibilidade de entrar em cursinhos de secundário onde só panfletos fazem e mais meia dúzia de coisas (não digo que todos sejam assim, até porque a minha mãe fez o 12º pelas novas oportunidades e teve imenso trabalho) deviam sim mantê-los no 'secundário normal' e oferecerem-lhes apoio extra, ou seja, explicações.
Ou então elevem a fasquia dos cursos de novas oportunidades e profissionais (ainda que conheça alguns cursos profissionais exigentes) para que depois nas candidaturas um aluno que se empenhou a sério e sentiu dificuldades no secundário não tenha de ficar a ver navios porque X ou Y entrou com 18 valores no curso que ele queria e tudo o que andou a fazer foi organizar eventos, animar crianças, fazer folhetos ou como indica a notícia somente um exame de inglês.

Agora pergunto-me: se ele ficou com a média correspondente à nota do exame de inglês porque é que eu não fiquei com a minha igual ao primeiro teste de História? Sempre entrava com 17,8valores...


Homens, blábláblá


Photobucket
Não podemos viver com eles nem sem eles. Homens. Alguns conseguem ser bem adoráveis mas existe um repugnante, ou até vários, em cada esquina, principalmente se a 'esquina' estiver em obras.
"Oh Boa!", insistem em chamar quando um rabo de saias passa. Quase caem dos andaimes. Mas verdade seja dita que muitas vezes são homenzinhos já com certa idade, mulher e filhos, que nos apitam ou lançam olhares enquanto conduzem.
Mas fosse isto o pior. Não sei que tipo de mosquito mordeu a espécie mas todos os seres do sexo masculino, ou pelo menos 99% deles, deixa o tampo da sanita em cima e em sua defesa dizem 'Pior era se não levantasse e mijasse em cima do tampo onde depois te vais sentar'.
Concordo. Dos dois males o melhor mas considero que levantar antes de despejar e baixar quando o serviço estiver feito não é assim tão complicado.

"-Depois vê-se", esta era a resposta que podia sempre esperar quando tentava fazer planos para o próprio dia ou para o seguinte. Não gosto de fazer planos, acrescentava. Acho que os homens só têm agendas porque são obrigados ou porque implica o saldo que têm na conta bancária. De outra forma, ficariam sentados no sofá e as únicas coisas que planeariam seriam o serão lá em casa para ver mais um dos jogos da Liga e quem devia trazer as imperiais e os tremoços.

Adoro criticar os homens, dá-me piada, confesso. Mas agora que passo literalmente 24 horas com eles passei a achar também piada aos seus defeitos e não somente ao acto de criticá-los. Mas confesso que suspiro, quase como se fosse um desabafo silencioso, sempre que entro na casa de banho e tenho de baixar o tampo da sanita.

ATENÇÃO: Eu no post anterior não quis dizer que as crianças deviam ter medo de ser gordas or something. Credo! Há pessoas cheiinhas e super bonitas logo magreza não é beleza, de todo. Aliás, eu até tenho alguns complexos por me achar magra.
Existem pessoas que são gorditas por problemas de saúde ou genética. Mas eu não quis comentar isso no post anterior. Eu somente critiquei a falta de atenção à alimentação das crianças que existe hoje em dia. Quantos pais dizem "Porta-te bem durante a semana e no sábado vamos ao Mcdonald's"?

Ninguém deve ter vergonha do que é, desde que os hábitos não afectem a sua saúde e a sua vida em geral...
Talvez se virem o programa "The Biggest Loser" que passa na Sic Mulher percebem logo o que realmente quis dizer :)

Talvez se elas fossem assim metade das crianças evitaria comer fast food.


Photobucket
Photobucket

Isto anda bonito, anda.

Desde a passada quinta-feira que estou em Vila Real. O engraçado é que já toda a gente tem aulas menos os alunos das Ciâncias Humanas e Sociais, ou seja, o meu curso e mais uns quantos. E porquê? Supostamente, os horários saiam no dia 13 de Setembro e já teríamos aulas esta semana. Como tal não aconteceu para nós, o resultado foi dormir até mais tarde, somente tirar o pijama no caso de ser necessário sair, ouvir músicas que o Gil insiste em fazer soar todo o dia, rir, comer, rir comer...e rir!
A nossa sorte é que apanhamos net da vizinhança e sempre dá para entreter mais um bocado.
Ontem foi a primeira vez que decidimos sair à noite, dar uma voltinha no pioledo e encontrar o restante pessoal. Estive com a Maria, com a Rita, Diana, Marta, Juliana, Renata, Bárbara, Diogo, Sansão, Vírus e mais uns quantos. Praxe foi um dos temas de conversa e deu para perceber que seremos bons doutores. Posso afirmar que ninguém se dá mal no curso (pelo menos a sua grande maioria) o que significa que devemos der do grupo de doutores mais unidos até agora (dos que conheci). Não sei quem serão os doutores (ou doutoras) que instalarão medo entre os caloiros. Mas quase jogando no totoloto digo: Rita Ramos e Juliana Pinheiro :)
Eu não serei certamente, mas vou meter-lhes algum nojinho certamente. Adoro pensar que me posso 'vingar' mas a melhor parte é que no final a caloirada sentirá falta das praxes como eu sinto. Mas não, não quero levar com ovos e polpa de tomate novamente. Apenas sinto saudades dos bons momentos que na praxe todos passamos.
Mas bem, já estou a divagar. Estou ansiosa por muitos motivos e um deles é um projecto cujo destino amanhã será decidido numa reunião com um professor.
Wish me luck!
E vou tratar de matar o raio de uma mosca que anda a rodear a minha cabeça e a do Fábio.

O Metro



Photobucket

"Sempre gostei da estranheza saudável da vida debaixo de terra. Não pensem que estou a querer ter piada. Apenas estou a tentar dizer que a azafama das estações de metro são incrivelmente acolhedoras. É um mundo frio. Não, não me estou a contradizer.
O metro pode ser um lugar cruel para quem por ele passa e nada vê em volta a não ser o local onde compra o bilhete e entra no respectivo transporte rumo à estação que deseja. Eu tenho uma relação carinhosa com o metro. Adoro a arte que muitos insistem em partilhar nas suas paredes, adoro as pessoas que por lá passam, as que nunca vimos na vida e aquelas que nos são familiares, não porque são amigo de fulano X ou Y, não porque jantam em nossa casa na noite de Natal, mas sim porque são habituais naquele espaço por tantos partilhado. Aconchega-me o coração a melodia que os bravos músicos fazem soar e que embelezam o metro. E por muita tristeza que as suas histórias possam ter, venero a coragem e o sorriso no rosto dos seres humanos que tal como eu vêem neste ambiente subterrâneo um 'tecto-amigo'. "

Ao ler tais palavras escritas numa folha de papel amarrotada, colada na parede de uma das margens da estação com um simplório autocolante encontrado certamente na rua depois de algum miúdo deitar o pacote das batatas fritas para o chão - desconfio - sorri para mim mesmo. Olhei em redor e vi a rapariga de gorro cinzento e casaco verde tropa de tal modo desgastado pelo tempo, o que me leva a pensar que lhe foi dado por alguém que já não o considerava 'vestível', que todos os dias vagueava pela mesma paragem que eu. Nunca consegui desviar o olhar. Ela era (e é) incrivelmente bonita. Rasguei o papel da parede, ainda que com algum cuidado. não era minha intenção rasgá-lo. Corri na sua direcção e toquei-lhe no ombro. Só consegui dizer "Desculpa?" pois as palavras ficaram encravadas na garganta. Ela tinha os olhos mais brilhantes que alguma vez vira. Olhamo-nos mutuamente até que reparou no papel que tinha na mão. Esboçou um enorme sorriso que acabou por confirmar a minha teoria: ela era a autora.
Como se mais ninguém existisse naquele espaço atolado às 8h da manhã de uma rabugenta Segunda-feira, esticou a mão dizendo: - Olá, sou a Alice.
Retribuí, sorrindo após me apresentar. E a partir desse dia vagueamos juntos pelo metro...


Só digo que comprei uma mala em segunda mão mesmo fofinha.

Vernizes Eyeko ♥

Lembram-se dos vernizes que encomendei na Eyeko? Pois bem, aqui estão eles. Chegaram a semana passada e alegremente se juntaram à minha primeira aquisição nesta fantástica loja online, o verniz Vintage. Não resisti a experimentar logo cada um deles e rendi-me completamente. O Lilás é o meu preferido e o que menos gostei foi o "Chi-Chi" tudo porque só serve para ser usado como complemento, isto porque é uma espécie de verniz transparente com brilhantes rosa. Mas certamente que criarei efeitos engraçados com ele e outros vernizes :)

Photobucket

Photobucket

Cartão de Cidadão

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Qual destas devo colocar no meu cartão de cidadão? (:

Harry Rivers


E hoje deu-me para isto

Olá Vila Real :)

Photobucket

18h, Vila Real soalheira com pouco trânsito na hora de ponta. Croissant com chocolate para mim, Eclair e Bola de Berlim para ti, uma cola para os dois.
O zum-zum na barriga acalma, a boleia chega. Estacionado no meio da rua, interrompendo a rua estreita junto à Tojeira sai aquela figura esguia com um sorriso no rosto. Balbucia umas quantas palavras e desata a correr até ao café mais próximo.
"- Vou comprar tabaco", disse. O carro manteve-se no meio da rua enquanto nós o carregávamos com as nossas malas, esperando que nenhum carro tentasse passar sem efeito e fizesse soar a buzina irritante como chamada de atenção.
Por sorte, ele chegou rapidamente impedindo que nada de mais acontecesse.
Entramos os três no carro, contando algumas novidades ao som de belas músicas bem ao estilo do Ari.
O problema surgiu. Não me lembrava qual dos apartamentos era o nosso, apenas me recordava da entrada do mesmo. Minutos após explorarmos a área lá encontramos o 'tal' prédio.
Confraternização à volta de uma mesa e jantar no McDonalds. Arrumação das tralhinhas que trouxemos dando um ar habitável e confortável ao novo quarto. Apanhar net do vizinho e navegar por sites e mais sites até tarde. Nada para comer no frigorífico e muito menos nos armários. A sorte é que a fome não atacou. Quanto ao gás para aquecer a água do banho matinal, nem vê-lo. Oh well, mas apesar de todos estes contratempos a verdade é que a nosso nova casa é lindíssima e será nesta zona sossegada de Vila Real que muitas histórias serão vividas para mais tarde serem recordadas.

Heartbeats, Imagination ♥

Photobucket
Um dos objectivos que queria cumprir até ao final do ano era 'perder-me' no mundo dos trabalhos manuais. Bijuteria, acessórios para cabelo, carteirinhas, porta-lenços, etc etc etc
À medida que for fazendo novas coisinhas vou mostrá-las num blog criado para o efeito.

Heartbeats, Imagination é onde podem encontrar as minhas novas peças que estarão disponíveis para venda e ás quais podem dar o vosso toque pessoal escolhendo as cores das mesmas, por exemplo. Aceito todo o tipo de sugestões :)

Devido aos inúmeros comentários positivos relativamente ao meu novo colar decidi que o ia VENDER por 8,50€ à primeira pessoa interessada :)

Cupcakes & Donut

Photobucket

Photobucket

Após umas compritas para casa no Pingo Doce, olhei para a vitrine da pastelaria e vi lá estas maravilhas. Dois cupcakes, um de baunilha e um de frutos silvestres, e um belo donut de morango. Deu-me uma enorme vontade de aprendar a fazer bolinhos destes e já andei por aqui a pesquisar receitas. Não imaginam quão deliciosos são :)

Handmade

E isto são apenas algumas das coisinhas que ando a aprender a fazer...

Photobucket

Nip/Tuck

Photobucket

Sei que o meu querido Bacafuzadas anda um pouco parado mas os motivos são diversos. Vou participar num concurso de fotografia e eu e o Fábio temos muito em que pensar e tanto para fazer. Além disso, confesso que estou tremendamente viciada em... Nip/Tuck.
Costumava ver na tv mas entretanto deixei de seguir. E estou a ver tudinho do início.

Não sei se gostam ou não, mas eu cá gosto dos doutores Troy e McNamara e daquele sangue e pedaços de carne, uuuh!!1
Powered by Blogger.